Dicas sobre Senhas!

Senhas

Uma senha (password) na Internet, ou em qualquer sistema computacional, serve para autenticar o usuário, ou seja, é utilizada no processo de verificação da identidade do usuário, assegurando que este é realmente quem diz ser.

Se uma outra pessoa tem acesso a sua senha, ela poderá utilizá-la para se passar por você na Internet. Alguns dos motivos pelos quais uma pessoa poderia utilizar sua senha são:

  • ler e enviar e-mails em seu nome;
  • obter informações sensíveis dos dados armazenados em seu computador, tais como números de cartões de crédito;
  • esconder sua real identidade e então desferir ataques contra computadores de terceiros.

Portanto, a senha merece consideração especial, afinal ela é de sua inteira responsabilidade.

2.1. O que não se deve usar na elaboração de uma senha?

Nomes, sobrenomes, números de documentos, placas de carros, números de telefones e datas1 deverão estar fora de sua lista de senhas. Esses dados podem ser facilmente obtidos e uma pessoa mal intencionada, possivelmente, utilizaria este tipo de informação para tentar se autenticar como você.

Existem várias regras de criação de senhas, sendo que uma regra muito importante é jamais utilizar palavras que façam parte de dicionários. Existem softwares que tentam descobrir senhas combinando e testando palavras em diversos idiomas e geralmente possuem listas de palavras (dicionários) e listas de nomes (nomes próprios, músicas, filmes, etc.).

2.2. O que é uma boa senha?

Uma boa senha deve ter pelo menos oito caracteres2 (letras, números e símbolos), deve ser simples de digitar e, o mais importante, deve ser fácil de lembrar.

Normalmente os sistemas diferenciam letras maiúsculas das minúsculas, o que já ajuda na composição da senha. Por exemplo, “pAraleLepiPedo” e “paRalElePipEdo” são senhas diferentes. Entretanto, são senhas fáceis de descobrir utilizando softwares para quebra de senhas, pois não possuem números e símbolos, além de conter muitas repetições de letras.

2.3. Como elaborar uma boa senha?

Quanto mais “bagunçada” for a senha melhor, pois mais difícil será descobrí-la3. Assim, tente misturar letras maiúsculas, minúsculas, números e sinais de pontuação. Uma regra realmente prática e que gera boas senhas difíceis de serem descobertas é utilizar uma frase qualquer e pegar a primeira, segunda ou a última letra de cada palavra.

Por exemplo, usando a frase “batatinha quando nasce se esparrama pelo chão” podemos gerar a senha “!BqnsepC” (o sinal de exclamação foi colocado no início para acrescentar um símbolo à senha). Senhas geradas desta maneira são fáceis de lembrar e são normalmente difíceis de serem descobertas.

Mas lembre-se: a senha “!BqnsepC” deixou de ser uma boa senha, pois faz parte desta Cartilha.

Vale ressaltar que se você tiver dificuldades para memorizar uma senha forte, é preferível anotá-la e guardá-la em local seguro, do que optar pelo uso de senhas fracas.

2.4. Quantas senhas diferentes devo usar?

Procure identificar o número de locais onde você necessita utilizar uma senha. Este número deve ser equivalente a quantidade de senhas distintas a serem mantidas por você. Utilizar senhas diferentes, uma para cada local, é extremamente importante, pois pode atenuar os prejuízos causados, caso alguém descubra uma de suas senhas.

Para ressaltar a importância do uso de senhas diferentes, imagine que você é responsável por realizar movimentações financeiras em um conjunto de contas bancárias e todas estas contas possuem a mesma senha. Então, procure responder as seguintes perguntas:

  • Quais seriam as conseqüências se alguém descobrisse esta senha?
  • E se fossem usadas senhas diferentes para cada conta, caso alguém descobrisse uma das senhas, um possível prejuízo teria a mesma proporção?

2.5. Com que freqüência devo mudar minhas senhas?

Você deve trocar suas senhas regularmente, procurando evitar períodos muito longos. Uma sugestão é que você realize tais trocas a cada dois ou três meses.

Procure identificar se os serviços que você utiliza e que necessitam de senha, quer seja o acesso ao seu provedor, e-mail, conta bancária, ou outro, disponibilizam funcionalidades para alterar senhas e use regularmente tais funcionalidades.

Caso você não possa escolher sua senha na hora em que contratar o serviço, procure trocá-la com a maior urgência possível. Procure utilizar serviços em que você possa escolher a sua senha.

Lembre-se que trocas regulares são muito importantes para assegurar a confidencialidade de suas senhas.

2.6. Quais os cuidados especiais que devo ter com as senhas?

De nada adianta elaborar uma senha bastante segura e difícil de ser descoberta, se ao usar a senha alguém puder vê-la. Existem várias maneiras de alguém poder descobrir a sua senha. Dentre elas, alguém poderia:

  • observar o processo de digitação da sua senha;
  • utilizar algum método de persuasão, para tentar convencê-lo a entregar sua senha (vide seção 4.1);
  • capturar sua senha enquanto ela trafega pela rede.

Em relação a este último caso, existem técnicas que permitem observar dados, à medida que estes trafegam entre redes. É possível que alguém extraia informações sensíveis desses dados, como por exemplo senhas, caso não estejam criptografados (vide seção 8).

Portanto, alguns dos principais cuidados que você deve ter com suas senhas são:

  • certifique-se de não estar sendo observado ao digitar a sua senha;
  • não forneça sua senha para qualquer pessoa, em hipótese alguma;
  • não utilize computadores de terceiros (por exemplo, em LAN houses, cybercafes, stands de eventos, etc) em operações que necessitem utilizar suas senhas;
  • certifique-se que seu provedor disponibiliza serviços criptografados, principalmente para aqueles que envolvam o fornecimento de uma senha.

2.7. Que cuidados devo ter com o usuário e senha de Administrator (ou root) em um computador?

O usuário Administrator (ou root) é de extrema importância, pois detém todos os privilégios em um computador. Ele deve ser usado em situações onde um usuário normal não tenha privilégios para realizar uma operação, como por exemplo, em determinadas tarefas administrativas, de manutenção ou na instalação e configuração de determinados tipos de software.

Sabe-se que, por uma questão de comodidade e principalmente no ambiente doméstico, muitas pessoas utilizam o usuário Administrator (ou root) para realizar todo e qualquer tipo de atividade. Ele é usado para se conectar à Internet, navegar utilizando o browser, ler e-mails, redigir documentos, etc.

Este é um procedimento que deve ser sempre evitado, pois você, como usuário Administrator (ou root), poderia acidentalmente apagar arquivos essenciais para o funcionamento do sistema operacional ou de algum software instalado em seu computador. Ou ainda, poderia instalar inadvertidamente um software malicioso que, como usuário Administrator (ou root), teria todos os privilégios que necessitasse, podendo fazer qualquer coisa.

Portanto, alguns dos principais cuidados que você deve ter são:

  • elaborar uma boa senha para o usuário Administrator (ou root), como discutido na seção 2.3, e seguir os procedimentos descritos na seção 2.6;
  • utilizar o usuário Administrator (ou root) somente quando for estritamente necessário;
  • criar tantos usuários com privilégios normais, quantas forem as pessoas que utilizam seu computador, para substituir assim o usuário Administrator (ou root) em tarefas rotineiras, como leitura de e-mails, navegação na Internet, produção de documentos, etc.

fonte: http://cartilha.cert.br/conceitos/sec2.html#sec2

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s